o não-património #2, por ssru

Especialistas em Reabilitação Urbana Integrada consideram os ‘caprichos da arquitectura’ como um dos grandes problemas das intervenções no Centro Histórico do Porto. Sob o estigma de ‘que se tem de deixar uma marca’ os arquitectos, principalmente os mal-formados em História Urbana, projectam edifícios com reduzida utilidade ou marcadamente dissonantes, para satisfação do seu ego.

Ignoram que o maior desafio de um novo projecto em núcleos antigos deveria ser integrar de tal forma o edifício que este passasse despercebido a todos. Noutro local da Cidade provavelmente o impacto seria menos assustador.

Um desses exemplos é, na nossa opinião a Casa-Museu Guerra Junqueiro na Rua de D. Hugo, em clara oposição com a reabilitação feita na mesma rua para a Sede da Ordem dos Arquitectos, que embora se note a presença de um estilo de autor, este faz uma integração no edificado existente digna de nota.

Mas gostaríamos de voltar ao local do artigo anterior: o eixo Rua Escura/Rua da Bainharia/Rua dos Mercadores, para mostrarmos alguns exemplos de “não-património”.

Estes dois exemplares datados de 1991 e 1987, respectivamente, são da autoria da Arq. Paula Silva – actual Directora do IPPAR, Direcção Regional do Porto – e promovidos pelo CRUARB.

O conjunto representado nas duas fotos é da autoria de dois arquitectos, Arq. Alfredo Resende e Arq. António Moura. É datado de 1996 e o promotor foi a FDZHP [sem palavras].

patrimonio-2_05

Como vem sendo hábito deixamos o melhor para o final, uma obra da autoria do Arq. Alberto Marcos, datada de 1994 e promovida pela FDZHP.

Mesmo que este conceito seja gerador de alguma polémica, por haver correntes que defendem que ‘qualquer reabilitação é melhor que nada fazer’, acreditamos que por vezes, se fosse possível voltar atrás ou remover estes “elementos dissonantes”, o Centro Histórico ficaria certamente a ganhar.

O que mais assusta é que as mesmas pessoas que decidiam antes ainda o fazem agora, como é o caso do Arq. Rui Loza como administrador da Porto Vivo e da Arq. Paula Silva no IPPAR.

P.S. – datas, autorias e promotores in “Fichas de Obras – Cruarb 25 anos de reabilitação urbana”, 2000-2001

Advertisements