o mercado do bom sucesso, por ssru

O mercado do Bom Sucesso, edifício onde a geometria explora a decoração das fachadas nos arruamentos e atinge o esplendor no seu interior, surge da necessidade de dar resposta ao crescente desenvolvimento da zona oeste da cidade em substituição do obsoleto e antigo Mercado do Anjo.

A maioria de nós regozija-se pela classificação recente de Imóvel de Interesse Patrimonial, julgando com isso poder impedir que os males maiores que todos adivinham, venham a acontecer. Dá a sensação que as pessoas julgam existir sempre um agente bom e um outro mau que nos quer estragar a vida. Neste caso é notório que a CMP e o Privado agem em sintonia, em parceria, aproveitando-se de algo que tem um propósito benéfico, com o único fim de usufruir apenas dos benefícios fiscais que advêm dessa classificação “salvadora”.

A DRCN já esclareceu que “desde que os volumes não interfiram com a estrutura” é possível obter um parecer positivo daquela instituição (cuja directora já deu inúmeras provas de permeabilidade, para sermos brandos). Portanto, esperarem para o dia da classificação do imóvel para assinarem o contrato de parceria apenas teve como único e macabro objectivo usufruir dos benefícios fiscais que o Estado promove para a reabilitação.

Assim, tudo se prepara para que a população do Porto veja ser-lhe subtraído mais um equipamento marcante da sua história e da sua paisagem urbana, contentor de um significado social, cultural e económico de importância suficiente para que, até um agente político “menos preparado” como os que temos, deseje preservá-lo. À falta de razoabilidade da sua degradação e menores condições infra-estruturais, junta-se a insensatez da mudança de uso através da alteração morfológica, irremediável, do seu interior para algo que a vizinhança já oferece em excesso.

Muitas cidades da Europa e do Mundo ensinam-nos uma relação de proximidade com os equipamentos e com os espaços públicos que nos faz sentir utilizadores/proprietários, como é o caso dos mercados de tantas cidades que já visitamos e onde somos convidados a entrar. A alternativa a estes espaços é a opção cada vez mais periférica dos centros comerciais e hipermercados globalizantes que nos consomem o nosso Tempo, em contra-ciclo com o desejo de repovoação dos centros das cidades. Como é possível desejarmos que as pessoas habitem a Baixa e sejam obrigadas a deslocarem-se até à Circunvalação para fazerem compras?

Para quê esperar pela História para emendarmos a mão, se com as suas lições mostramos ter aprendido tão pouco?

o mercado do bom sucesso, há vinte anos atrás

a magnífica fachada posterior, muito antes da obscura cobertura de passageiros que agora a definha

Caros amigos e amigas,
Como sabem o Mercado do Bom Sucesso está ameaçado de ser transformado em shopping pela Câmara do Porto que o concessionou a uma construtora de centros comercias por 50+20 anos.
Acontece que só são conhecidos desenhos a 3D dessa ideia, que representam uma destruição do Mercado tanto em termos de estrutura como de funcionalidade. (ver mais informação no nosso Blog)
Mesmo sabendo que não há ainda projeto de arquitetura submetido ao IGESPAR (o edifício foi considerado de interesse nacional em 25 de Janeiro, devendo estar como tal protegido), o Mercado já tem encerramento anunciado para o próximo dia 25.
Dia 19, 5ª, às 17h, haverá uma concentração de protesto à porta do Mercado, para a qual apelo também à vossa participação.
As nossas saudações,
Paula Sequeiros
Movimento Bom Sucesso Vivo

respirava vida, há vinte anos atrás

o movimento constante de pessoas, há vinte anos

no tempo em que não havia asae

o seu desenho é extraordinário, mesmo a precisar de umas pinturas, há vinte anos atrás

Anúncios