a ebulição das freguesias, por ssru

Após a esperada fusão do núcleo, o estado físico seguinte só poderá ser o da ebulição, onde aquele se evapora no ar dos tempos, ou, caso os fregueses acordem, onde o processo começará finalmente a ferver e a agitar a vida desta cidade anestesiada. Por conta de uma legislação ordenada por um desclassificado ministro, todo o País terá que cortar em freguesias, mesmo que isso não resolva problema nenhum (pelo contrário), nem represente qualquer poupança aos cofres do Estado, ou seja, aos bolsos dos cidadãos. A discussão no Porto também se faz, certamente, mas com calminha…

Após uma breve interjeição, em que, boquiabertos, nos deparamos com um novo Mapa Organizativo da Cidade do Porto, impossível de decifrar apenas com os argumentos apontados pelas forças políticas mandantes, decidimos embrenhar-nos melhor no assunto para encontrarmos as verdadeiras razões para tão abstrusa imposição.

douro

Em traços largos, interessa saber que Portugal tem uma das organizações administrativas mais complexas, mas apenas nas divisões de primeiro nível, da responsabilidade do Estado, pois as de segundo e terceiros níveis são bastante simples, agrupando, respectivamente, os 308 municípios (também chamados concelhos) e as 4260 freguesias em que estes se dividem. Apesar de a Constituição estabelecer que o território só se divide administrativamente em regiões autónomas e administrativas, coexistem ainda, principalmente no território continental, várias divisões administrativas cujas áreas se sobrepõem às de outras divisões, provocando tantas vezes uma duplicação de serviços. São as CCDR, as áreas metropolitanas, as comunidades urbanas, as comunidades intermunicipais, unidades NUTS I, II e III, etc. Exceptuando o caso das NUTS, a maioria desta parafernália de entidades foram criadas em 2003, num processo que ficou conhecido como a “Reforma Relvas”, por ter sido planeado por Miguel Relvas, na altura Secretário de Estado da Administração Local, durante o governo de Durão Barroso.

Esta imaginação criativa de fazer proliferar os tachos e panelinhas para os correligionários dos partidos deve-se sobretudo à falta de coragem política (dito de outra forma, ao crime politico) da classe política portuguesa, incapaz de instituir as regiões administrativas previstas desde que a Constituição foi aprovada, ou seja, desde 1976, vindo a ser sucessivamente adiado pelos vários governos. Este processo de criação das regiões administrativas é popularmente conhecido por Regionalização.

praça da liberdade

Chegamos, então, a este ponto em que nos perguntamos como é que permitimos que os mesmos incompetentes voltem a tomar conta da organização do País, começando a alterar e a evaporar, precisamente aquilo que é mais fácil gerir e que melhor funciona – as freguesias portuguesas? Um terço das freguesias do País optou pela fusão e isto é maravilhoso e válido, como o oposto o é para as restantes populações que só querem ser deixadas em paz.

O caso do Porto – a cidade rejeitou a fusão das suas freguesias, algumas delas, lugares de origem da nacionalidade, com o voto contra por maioria da Assembleia Municipal. O executivo camarário, presidido por Rui Rio, CAG_ _ no voto contra da assembleia e enviou à Unidade Técnica da Reforma Administrativa (criada para impor a fusão de freguesias que se recusassem a fazê-lo de livre vontade), um estudo mandado elaborar ao Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) municipal, que incorporou as propostas do PSD e do CDS, acabado de ser rejeitado pela Assembleia Municipal. A Unidade Técnica limitou-se a escolher a proposta que o estudo indicava como preferencial e mais nada…

mapa 01

O resultado é um plano que funde as 4 antigas freguesias do Centro Histórico – Sé, São Nicolau, Vitória e Miragaia – com duas freguesias vizinhas, Cedofeita e Santo Ildefonso. Dá-se o caso de se tratar de uma reforma tão insegura que o nome escolhido foi “União das Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória”. Como ainda não estavam muito certos, no dia 5 deste mês é publicado um diploma que “simplifica” (?) o seu nome para “Cedofeita, Ildefonso, Sé, Miragaia, Nicolau, Vitória”. Repararam que caíram os santos do altar e ficaram o Ildefonso e o Nicolau apeados? Que grande cambada de mentecaptos. De que buraco saiu esta gente. Ah, é verdade, da Universidade Relvas!

A fusão é feita “custe o que custar”, sem ter em conta as características do território, a sua história, a sua população, etc.. Vejam, se todas as habitações devolutas do Centro Histórico estivessem ocupadas com as pessoas que enxotaram para os concelhos vizinhos, provavelmente não haveria a necessidade de as fundir com mais nenhuma freguesia. Mas, por vício, a desertificação só acontece à conta da incompetência dos mesmos políticos que impõem este estado totalitário aos seus cidadãos. Olhando assim de soslaio para este novo mapa [dando de barato que roubarem a paria fluvial a Miragaia foi só mais uma das muitas burrices] dá a ideia que os chicos-espertos pretendem ganhar autarquias na secretaria, aglutinando as que têm cor política diferente da sua, com aquelas que lhes garantam a eleição. Acabassem em primeiro lugar com a chuchadeira das múltiplas entidades do primeiro nível e tudo se entenderia melhor.

mapa 02

A única justificação que parece permanecer depois de todas as outras se esvaziarem é a “massa crítica” e o “ganhar escala”, algo que consideramos ser possível com a simples união de esforços das diferentes freguesias, em vez de as fundirem e com isso as fazerem desaparecer como identidades próprias.

Sobra ainda o caso de Campanhã e como se explica segundo a nossa teoria de aglutinação na secretaria? Bem, é que Campanhã é um caso perdido, é a freguesia mais empobrecida dos últimos anos, aquela onde se investiu pela última vez em 2004, aquela onde a CMP pratica a maior segregação política de que há memória.

a cidade inquieta #11, por ssru

Procurámos sem cessar uma imagem que ilustrasse os 12 anos da desastrosa gestão autárquica de Rui Rio e encontrámos tudo reunido num só edifício do Centro Histórico do Porto: (+) desertificação; (+) degradação urbana; (+) tráfico de droga; (+) desprotecção social; (+) desigualdade social; (+) paisagem poluída (+) graffitis repintados (e que graffiti!); (+) poluição automóvel; (+) problemas de estacionamento; (+) campeonatos para o FCP. Quando abrir a boca para se gabar, lembre-se destes moradores que lhe resistem! [Rua do Corpo da Guarda – Setembro de 2013]

ci031

ci032

ci033

a destilaria do berto, por ssru

O leitor abaixo, num primeiro momento, apresentou-se com uma citação, expressando um testemunho de desagrado para com a SSRU (sítio e membros). O problema das citações é sempre o mesmo: tem as suas regras! Desde logo o conteúdo deve fazer sentido (para todos, claro); depois deve revelar-se apropriado ao tema em tratamento; e a sua proveniência, o seu autor, representar alguém/algo que mereça admiração e reconhecida aclamação geral, de preferência, alguém que mereça substituir quem o cita. Não foi esse o caso do Berto das Taipas que citou um tal de “agaga…toytó…” (?) que não percebemos nada. Em resposta moderada lançamos um desafio com uma citação de um filósofo alemão (bastante apropriado) que viveu entre 1724 e 1804, Emmanuel Kant, que disse: “É no problema da educação que assenta o grande segredo do aperfeiçoamento da humanidade.” Não, não é à educação do Povo que nos referíamos.

destilaria-01

Berto das Taipas, comentou em testemunhos, 30 de Julho de 2013, ás 19:54

Saudações

Não era suposto regressar tão breve, mas não resisti à resposta célere da vossa “super” secreta sociedade.

No comentário que emiti anteriormente, não era suposto tocar em nenhum “nervo” específico, caso optasse por isso teria que deambular por todo o tecido nervoso obrigando a um movimento peristáltico que me impediria de fazer o “kilo” e debater-me com perturbações do aparelho digestivo, o que muito me incomodaria.

A justificação para o anonimato da vossa organização é sem dúvida recheada de argumentos repletos de covardia sendo esta como se sabe, uma corrupção da prudência! Verdadeiros guerrilheiros camuflados, quiçá “Xananas” descendo pelo morro da Sé, em prol da libertação de uma cidade a ferro e fogo, debatendo-se com vilões, malvados, bandidos e agiotas que destroem a todo o custo o resta do casco histórico. Desgraçadas taipas carunchosas!

Ainda os ilustres colaboradores – admira-me a cobardia assumida e a atitude hipócrita no dia-a-dia nos seus modestos empreguinhos, o que não condiz nada com a frontalidade dos textos aqui produzidos. Parece que os estou a ver : Cenário hilariante – de noite congeminam ataques mortíferos, de dia lambem as botifarras aos dirigentes da Câmara, provavelmente não só para que não sejam despedidos, como referiram (o dinheirinho faz muita falta, não faz?), mas também para obterem um merecido “excelente”, superando assim os objetivos impostos pelo Siadap, os mesmos que na prática, são criticados ferozmente aqui nesta página. Um pleno sem dúvida! Cautela com as reportagens fotográficas, pois poderá, um dia destes, ainda descobrir-se o casulo das formiguinhas obreiras que ferozmente trabalham na tarefa árdua da denúncia sistemática. Se me permitem, duas sugestões:

– Porque não criarem uma sede desta sociedade secreta (passando naturalmente a ser des-secretizada!) num espaço aberto à cidade, com um balcãozinho de reclamações? Por certo teriam matérias infindáveis para valorizarem ainda mais e mais, esta montra de vómitos que definitivamente parece vos atrair tanto. Não me venham com aquela que o Porto está no vosso coração, e que por isso têm que agir na clandestinidade face aos monstros que a dirigem. Já agora aproveito para vos relembrar que daqui a nada, estão aí as eleições e quem sabe o futuro Presidente (seja ele qual for) poderá ceder-vos um espaço à borla, para as vossas atividades. Então? Quem é amiguinho, quem é?

– Denunciar (com belas imagens) a chamada Casa dos 24, edifício construído em 2002, com 22 metros de altura e a 7 metros da Sé do Porto, da autoria do Mestre Fernando Távora. As obras de construção que à data custaram 858 mil euros, + os trabalhos a mais, (portas em bronze e teto folhado a ouro, no tempo em que ainda se gastava à fartazana!) têm sido alvo de denúncias à Unesco e críticas da população que contesta sistematicamente sua existência. (o povo é inculto, é um “problema de educação”, eu sei!).

As formiguinhas da Câmara ainda não relataram este caso? ou será que não é arquitetonicamente correto mexer no assunto? A sociedade age no anonimato, ninguém vos vai recriminar pela denúncia. Vá lá força, tenham coragem! Não custa nada! A longo prazo sairão beneficiados.

Como diria Rui Ramos Loza, que vocês tão bem citam no início, “podes até, querer demolir a Torre dos Clérigos, desde que no seu lugar consigas propor algo melhor”. Aposto que, num hipotético cenário de demolição da Torre dos Clérigos (que violência!), a substituição da mesma, por uma torre contemporânea, da autoria de um dos Mestres que vos guiam nos vossos pensamentos maliciosos, seria por certo bem-vinda, aplaudida, e acarinhada pela Sociedade Secreta de Reabilitação Urbana. Quem sabe mesmo, uma obra candidata a um Premio Pritzker ¡ Querem apostar?

“O que o moralista mais odeia nos pecados dos outros é a suspeita acusação de covardia por não ter coragem de os cometer.” Vergílio Ferreira

Atenciosamente

Berto das Taipas (não sou vosso “vizinho” nem nunca serei)

[os erros ortográficos foram corrigidos pela ssru]

destilaria-02

Vocês que nos seguem desde sempre, poderão pensar ser desnecessário responder a um comentário assim. Nós, pelo contrário, aproveitamos todas as oportunidades para fazer pedagogia e transformámos o comentário do Berto das Taipas num artigo, esclarecendo o nosso querido leitor e agradecendo-lhe ter aparecido. Cá vai:

– Sempre nos apresentamos anónimos como o nosso voto em urna, no dia de eleições;

– Sempre nos consideramos mais “cavaleiros do apocalipse”, em demanda do santo graal, do que propriamente uns “Xananas (?) a descer o morro da sé”;

– Sempre o dissemos, o nosso propósito é defender o Centro Histórico do Porto de um bando de desqualificados, cujas habilitações lhes permite mais depressa serem Deputados da Nação, do que profissionais competentes ao serviço da sociedade;

– Sempre o admitimos, para quem quiser acreditar, que não somos funcionários públicos e não estamos ao serviço da Câmara, da Porto Vivo, nem nenhuma outra instituição com relevância pública, situação que conflituaria com a nossa consciência – dizer o que dizemos do sítio onde trabalhamos;

– Sempre que podemos, lembramos que o subtítulo deste sítio é uma frase utilizada pela SSRU de forma irónica, realmente dita por Rui Loza e que só alguém como ele o poderia dizer, sendo que o consideramos co-responsável pelo estado lastimável em que o CHP se encontra. Pudesse o génio ser hereditário e encontrar nele uma réstia do Arménio, que tudo seria diferente!

– Sempre fomos fieis à nossa herança e respeitamos os nossos melhores arquitectos – Alfredo Viana de Lima, Agostinho Ricca, Nuno Teotónio Pereira, Fernando Távora, Álvaro Siza Vieira, Alexandre Alves Costa, Eduardo Souto Moura, etc. – algo que nunca nos impediu de os criticar sempre que necessário. O que mais lhes criticamos (aos vivos, claro) é o SILÊNCIO perante aquilo que assistimos diariamente no CHP, como o “caso de polícia” das Cardosas.

– Sempre nos pareceu que o escrutínio era algo difícil de engolir a certo tipo de pessoas…

destilaria-03

Foi na destilaria do Berto que voltamos a erguer o Santo Graal. Num sentido último, o Graal simboliza a plenitude interior, o renascimento e o conhecimento do homem e da sua evolução. Só por isso poderemos estar-lhe gratos.

Mais ainda, lembrá-lo que a ameaça que faz “às formiguinhas obreiras” tem um reverso: é que ao serem descobertas, deixando de ser anónimas, a SSRU passa a ter rostos e nomes. Isso significa que tudo o que vem aqui escrito passa a ser admissível no Ministério Público, claramente em desfavor dos visados. Estes, os visados, poderão sempre mostrar que estamos errados para lhes pedirmos públicas desculpas e se for caso de sermos presos ou condenados a uma indemnização, faremos uma colecta ou um “crowdfunding”. Quem são os amigos, quem são?

a hipocrisia institucional, por ssru

Parece-nos óbvio que, num momento em que Rui Moreira se prepara para receber o apoio eleitoral de Rui Rio, capitalizado pela incorporação dos vereadores deste na sua lista e atendendo ao seu passado recente como Presidente da Porto Vivo por sugestão do actual Presidente da Câmara, a cumplicidade entre ambos seja notória e indiscutível. Tal como Rui Rio, também Rui Moreira falhou em matéria de reabilitação urbana.

hipocrisia-07

Daí que não estranhemos que o anterior Presidente da SRU alguma vez tenha contestado, em público ou em privado, a actuação dos membros da instituição que dirigia, ainda que, como figura “decorativa”. Atitudes como as que relatámos no artigo anterior têm um impacte real na credibilidade, na eficácia e no esforço de toda a cidade em se regenerar, mas também atinge a viabilidade económica da própria Porto Vivo. Saber por que razão não existe na SRU nenhum funcionário que tenha sido escolhido ou seleccionado por concurso público, como se exige a uma instituição que é paga por dinheiros públicos, é assunto que merece uma reflexão mais aturada. Facilmente chegaremos à conclusão que no lugar de políticos encontraremos maus técnicos e no lugar dos técnicos estarão os piores políticos, o refugo do restolho. Como é o caso do responsável pela Fiscalização de Obras, cuja falta de qualificação e experiência lhe permite planar, ausente, num mar de obras ilegais sem qualquer tipo de fiscalização. Desta forma quando, pressionado, pretende mostrar serviço, só faz asneira.

hipocrisia-08

O que resulta da sua incompetência é esta panela de pressão, pronta a estourar as relações com os munícipes que o vêm a dar instruções aos fiscais para embargar obras em certos casos patéticos e nos outros a obrigá-los a atravessarem a rua e olharem para o outro lado, como se ali não estivessem sentados aqueles elefantes brancos a partir a louça toda. Vejam o caso quentinho do BBVA (elefante branco, perceberam?) na Avenida do Aliados: pensam que alguém vai lá perguntar pela licença de obras ou como conseguem ocupar a via pública daquela forma?! Acham que o Autarca não a vê da varanda do seu gabinete?! Julgam que eles são cegos e não veem o mesmo que nós – o Dr. Rio, o Dr. Moreira, os Administradores ou o Fiscal-Mor da SRU? É claro que estamos a falar de pessoas que se conhecem bem, tratam-se por “tu”, dão umas festas juntos e cantam abraçados o “ne me quite pas”.

hipocrisia-01

A hipocrisia avoluma-se quando o accionista IHRU se coloca numa posição distanciada em relação à gestão da instituição, actuando só como financiador, mandando auditar apenas as contas sem se importar com os actos de gestão que arruínam o balancete. Poderá o Arq. Vítor Reis continuar a criticar a administração da Porto Vivo se a sua representante assistir às reuniões do conselho apenas para assinar uns papéis e nada questionar? Pelo menos como nós aqui o fazemos!

Imaginem agora que o pessoal do Villa Porto descobre que o Dr. Rui Rio actuou com desigualdade em relação ao estabelecimento nocturno que lhes mandou fechar, ali à Rua do Dr. Magalhães Lemos (e que também relatámos no artigo anterior), ao arrepio do que mandam as leis e os direitos e garantias dos administrados. É verdade, soubemos posteriormente que o caso anda em tribunal e que as férias que se anunciam na fachada da “disco do roçanço” estão para durar até o assunto se resolver.

hardclub-02

hardclub-01

A questão é que o “Princípio da Igualdade” não é o mesmo para todos. Lembram-se do HARD CLUB, certo? Está agora a comemorar três anos que reabriu, não está? Recordam-se destas fotos do site da CMP onde vemos o Autarca a cortar as fitas, como bom corta-fitas que é, hein?

O que diriam se até hoje o Hard Club não tivesse ainda obtido o necessário e fundamental “Alvará de Utilização” para poder laborar e dar aqueles espectáculos todos e abrir um restaurante e ter aquela esplanada (ilegal, claro) tipo aquário “parada leitão” (mas mais soft). Como foi possível o 1º Autarca embarcar numa ilegalidade dessas com uns e depois fazer com os outros, o VILLA PORTO, aquilo que está correcto mandando fechar. Será que é possível contestar tal decisão?

Bom, na verdade qualquer acção judicial alegando os argumentos da “desigualdade” não teria grande sucesso, pois obras ilegais não dão qualquer direito a ninguém e, quer a Pipas quer o Villa Porto, não iriam muito longe por aqui, para verem reduzidas/suspensas as “penas” que lhes foram aplicadas com o embargo. No entanto, tratando-se de uma jornalista e de uma empresa ligada aos espectáculos, imaginem os estragos que não fariam se, na primeira pessoa, divulgassem as suas histórias de hipocrisia instituída, este conto moderno do “Triunfo dos Porcos”.

a época de caça, por ssru

Está oficialmente aberta a época venatória 2013/2014 de caça ao político português, na subespécie cinegética de nome científico “relvas”, melhor conhecido em certas ZCM’s como “ladrão” e “aldrabão”. Trata-se de uma acção programada com vista a obter o controlo da proliferação desta subespécie invasiva, cuja reprodução se opera por equivalência e que tem dizimado o sistema produtivo nacional, a nossa organização territorial, os bens públicos e privados, a nossa cultura e a sanidade mental do Povo Português. As reservas de caça foram alargadas, uma vez que ZCM passou a designar a Zona de Caça Mundial.

o embargo redentor, por ssru

A Porto Vivo realizou, o mês passado, o seu primeiro embargo de uma obra ilegal. [foguetes]

Contrariando o modo de operar destes seus nove anos de vida, em que assumiu uma postura facilitadora no que se refere ao cumprimento das regras urbanísticas (chegando a ter um especialista que orienta as pessoas a contornarem as regras), com vista a obter resultados mais rápidos que pudessem contrariar o declarado fracasso do Autarca em matéria de reabilitação urbana, dizíamos, a SRU embargou pela primeira vez uma obra ilegal.

embargo-21

Cremos não ser por nossa causa, pois desde que este sítio existe que temos vindo a denunciar essas intervenções (algumas catastróficas e irreversíveis) e só agora é que aconteceu o arrependimento da SRU. Poderá ter mais a ver com a intervenção do sócio maioritário que tem vindo a pressionar esta administração, obrigando-os a mostrar resultados e expondo as suas fraquezas.

E se grande é o pecado maior deveria ser o arrependimento. Por isso estaríamos à espera que o alvo escolhido pela Porto Vivo para aplicar tal redenção, fosse uma intervenção que, pelas suas características e prejuízo para o património da cidade, merecesse um castigo exemplar. Tal exemplo seria propagador e pedagógico. Mas não!

embargo-22

A escolhida foi uma amiga e vizinha nossa, a Filipa (Pipa), que para além de já morar no CHP, tem um negócio de sandes na Rua dos Caldeireiros e decidiu realizar obras numa casa da Travessa do Ferraz, nº 26, as quais foram agora embargadas. Não é por ser nossa amiga que as obras deixaram de ser ilegais, aliás, nós até avisámos para não avançar assim, pois poderia acontecer o que lhe aconteceu. E do que vem acusada a Pipa, afinal: da realização de obras interiores, nomeadamente a execução de tectos falsos, carpintarias e pinturas, sem que tivesse sido emitido o respectivo alvará. Carago, pá!

embargo-23

Ora, por que razão estamos aqui a vociferar? Porque estávamos à espera que a Porto Vivo andasse a gastar os cartuchos (e o nosso dinheiro) em obras representativas, aquelas cujo significado merecesse tamanho castigo, como é um embargo (que implica registo na Conservatória do Registo Predial, EDP, EDPgás, Águas do Porto, etc.). Vamos aos exemplos pois é disso que estão à espera!

Caso 1 – Tal como a senhoria da Pipa, também o vizinho, Arq. Joaquim Massena, tem andado calmamente a realizar obras ilegais na Rua dos Caldeireiros, nº 61, as quais já vos tínhamos dado notícia há dois anos atrás. Nessa altura a ARU do Centro Histórico ainda não tinha sido delimitada, mas agora que está sob alçada da Porto Vivo, será que ainda não houve tempo para irem lá obrigar o senhor a fazer o licenciamento como todos os outros cidadãos? Será por medo, por se tratar de um arquitecto, por ele ter trabalhado na CMP, estar envolvido com o Meneses, o que é? Temos curiosidade em saber!

Caso 2- Uma actividade que se desenrola à vista de todos desde há muitos meses e que tem lugar após a realização de obras ilegais, num edifício situado num Quarteirão Prioritário, sob gestão da Porto Vivo, mas que esta não embargou (quer as obras, quer a actividade) fica ali na Rua Dr. Magalhães Lemos, nº 109. Trata-se do VILLA PORTO, uma boate/discoteca que, pelo facto de não ter licença, se encontra ilegal, pondo assim em risco a segurança e a saúde públicas.

Caso 3 – Um edifício que pertencia (?) à família “Braga da Cruz”, onde no rés-do-chão existia a bem conhecida “Drogaria Moura”, tem estado a sofrer obras profundas no interior e alterações do exterior, claro está, sem a respectiva licença ou controlo prévio. È esquisito pois este caso parece ser um daqueles que teve a intervenção do “agente facilitador” da SRU, pois os trolhas trabalham à socapa e removem entulhos fora de horas, etc. Trata-se de um edifício de arquitectura comum, mas onde se exercia uma actividade de grande valor para a cidade. Tem lá instalado provisoriamente a “Araújo & Sobrinho”. Esta obra, pela sua localização e em Quarteirão Estratégico, merecia ser embargada e por razões insondáveis não o foi!

Caso 4 – Na Rua de Mouzinho da Silveira, nº 160, desenrola-se uma intervenção em dois prédios contíguos. Um tem placa a informar que tem alvará, mas o outro simplesmente nada diz. O primeiro começou a obra muito antes de obter a respectiva licença e o segundo foi adquirido à CMP. A reabilitação em conjunto vem prevista no Documento Estratégico do quarteirão, tal como a manutenção da fachada, as cores, etc. O promotor da obra tem realizado outras intervenções no CHP dentro da tipologia turística à qual esta também se destinará. Talvez por esse motivo ou por vidas passadas, tem obtido os maiores favores da CMP e da SRU, motivo pelo qual não haveria a necessidade de intervir ilegalmente.

Caso 5 – Por falar em falta de necessidade, convém não esquecer a situação do Eng. Rui Quelhas, que como sabem é administrador da Porto Vivo, ou seja, é ele que assina o seu próprio alvará de construção e por isso não tinha a necessidade de executar obras de alteração e ampliação sem a respectiva licença. Ainda mais, para fazer na cobertura aquele cogumelo horrível, cuja inserção na envolvente apenas acrescenta mais ‘ruído’. Como “à mulher de César não bastará ser séria, terá também que parecer”, parece-nos que o primeiro exemplo que a Porto Vivo deveria ter escolhido era o seu, o próprio.