os tempos difíceis, por ssru

Eu não quero pagar por aquilo que não fiz / Não me fazem ver que a luta é pelo meu país. / Eu não quero pagar depois de tudo o que dei / Não me fazem ver que fui eu que errei.

Não fui eu que gastei mais do que era para mim / Não fui eu que tirei, não fui eu que comi / Não fui eu que comprei, não fui eu que escondi / Quando estava a olhar não fui eu que fugi.

Não é essa a razão para me quererem moldar / Porque eu não me escolhi para a fila do pão / Este barco afundou houve alguém que o cegou / Não fui eu que o não vi.

Eu não quero pagar por aquilo que não fiz / Não me fazem ver que a luta é pelo meu país. / Eu não quero pagar depois de tudo o que dei / Não me fazem ver que fui eu que errei.

Talvez do que não sei talvez do que não vi / Foi de mão para mão, mas não passou para mim / E perdeu-se a razão tudo bom se feriu / Foi mesquinha a canção desse amor a fingir.

Não me falem do fim se o caminho é mentir / Se quiseram entrar não souberam sair / Não fui eu quem falhou, não fui eu quem cegou / Já não sabem sair.

Eu não quero pagar por aquilo que não fiz / Não me fazem ver que a luta é pelo meu país. / Eu não quero pagar depois de tudo o que dei / Não me fazem ver que fui eu que errei.

Meu sonho é de armas e mar / Minha força é navegar / Meu Norte em contraluz / Meu fado é vento que leva e conduz.

Esta canção é muito simples. Não tem grandes metáforas, nem segundos sentidos. Escrevi-a para mim, porque um dia acordei e percebi que já há uns tempos que me sentia a sofrer as consequências de uma jogatana qualquer com a qual eu não tive nada a ver. Lembrei-me de quando estava na primária, quando um coleguinha qualquer lá na turma fazia uma tolice às escondidas e a professora dizia: se ninguém se acusa ficam todos de castigo! O coleguinha nunca se acusava… e ficávamos todos de castigo.

Esta canção não fala só de um coleguinha. Fala de muitos coleguinhas que ao longo de muitos anos fizeram muitas tolices. Coleguinhas por Portugal inteiro, em todas as áreas da sociedade, não só na política mas quase sempre debaixo da sua alçada. Esta música fala de desonestidade, de falta de respeito e amor pelo nosso país, o que quer dizer, pelo próximo. Mais nada. Tiago Bettencourt

“Tempos Difíceis”, o décimo romance de Charles Dickens escrito no ano de 1854, marca um período importante da sua obra, constituindo um ponto de viragem. É uma novela em três volumes e sendo uma obra de ideias, não se pode denominar propriamente um livro de combate. Com o seu enredo e descrições laboriosas apresenta um aspecto novo na sociedade provinciana inglesa do seu tempo, a luta entre o moderno e o antigo, através da burguesia e de pensamentos novos, como o Positivismo. As condições de trabalho eram terríveis; um operário era obrigado a trabalhar tanto quanto a sua constituição permitisse e as crianças eram levadas a um trabalho desgastante com o intuito de “tirá-las das ruas e das seduções que a vida mundana proporcionava”.

“Tempos Difíceis” é uma obra imortal que representa um libelo contra ideias e preconceitos arraigados na sociedade, expondo uma visão de abusos, erros, egoísmos. Os problemas básicos de sobrevivência presentes neste romance vão além de qualquer período e garantem a necessidade de meditação, já que Dickens, com mão de mestre, construiu um enredo e personagens excepcionais, que o transformaram num dos maiores escritores da Literatura Mundial.

a “fábrica cretina”, por ssru

Da “Fábrica Cretina” saem todos os anos, resmas de exemplares “assemblados”, de imbecis altamente qualificados, cretinos para tomarem conta de nós e nos dizerem aquilo que devemos fazer das nossas vidas. O jornalista Miguel Carvalho, que estimamos e admiramos, tira-lhes tão bem o retrato!

Tenho para mim…14 DE ABRIL DE 2014 / MIGUEL

cretinos

…que deve haver por aí uma fábrica da pulhice humana, com moderna linha de montagem, onde se confeccionam exemplares feitos em série, de várias gerações e para diversificados sectores de negócio, à vontade do freguês. Ou é isto ou já são muitas conversas a ouvir amigos queixarem-se dos pulhas que lhes calharam em sorte no local de trabalho, na família, nos serviços. Escutam-se os lamentos e os pulhas parecem todos iguais, saídos da mesma casca. Ou aprenderam nas mesmas escolas ou foram feitos na mesma fábrica. E como se não bastasse, ainda procriam.