a doutrina do medo, por ssru

Através do medo, os políticos conseguem que os povos se sacrifiquem e que paguem uma dívida que foi por eles próprios contraída. Em Portugal, tal como noutros países intervencionados pela troika, fecham-se escolas e hospitais, vendem-se empresas estratégicas, reduzem-se salários e reformas, retrocede-se civilizacionalmente para que os investidores alemães, franceses, ingleses e americanos não sofram com as suas más decisões ao emprestarem dinheiro aos banqueiros e seus amigos políticos corruptos. O dinheiro que sai do corpo dos portugueses vai inteirinho para pagar uma dívida que não foi contraída pelos cidadãos, nem sequer para proveito destes, mas antes para alimentar um sistema político criminoso que os espolia.

O vídeo que se segue sugere desde logo inúmeras questões que nenhum governante teve “testículos” para responder ao premiado jornalista alemão (quem melhor do que um alemão para nos esclarecer estas coisas?!) Harald Schumann, autor desta peça que sugerimos que vejam. Mas a primeira pergunta que gostaríamos de colocar é: “Como é possível que após as maiores manifestações de cidadania que Portugal já assistiu, tudo tivesse ficado na mesma, até o Governo ficou?”

os donos da rua, por ssru

As imagens que ilustram este artigo não são de há trinta anos atrás. Mas parecem! Há muito que não víamos as ruas da cidade assim cheias de vida, a remeter para a nossa infância e juventude. Tudo indica que a tradição ainda tem espaço e tempo para ser o que era.

Não sabemos se foram estas imagens que os eurocratas viram e que os deixou tão desvairados, a ponto de virem bater num Governo tão bom aluno, que até parece farsa daqueles tipos do faz-de-conta a querer fazer de conta que o próximo ano não é ano de eleições… Dizem eles:

“Com o novo aumento em 2014 [para €505], as perspectivas de transição para o emprego dos mais vulneráveis pode deteriorar-se numa altura em que o desemprego é ainda elevado, possivelmente agravando a já existente segmentação entre quem tem trabalho e quem não tem”

Com 505€ de remuneração, os índices de dignidade humana estão tão vulneráveis que as perspectivas para 2015 serão de uma maior clivagem entre ricos e pobres, independentemente de estes terem emprego ou não. O que continua a baralhar toda a gente é o facto da maioria dos smartphones topo de gama estarem com lista de espera para serem adquiridos. E quem diz isto diz outras coisas de topo!

Mas voltemos ao que interessa, a Baixa do Porto está animada, a fazer lembrar dias antigos. Já só faltam os milhares de habitantes que desapareceram, segundo as estatísticas dos dois últimos Censos, aí uns 25 a 30 mil. Isso é que era bonito de se ver!

donos-010nota a 31 de dezembro de 2014: ficamos muto felizes por termos inspirado a equipa camarária a desenvolver toda uma notícia para o portal Porto[.]Ponto (não, não é o blogue do David Pontes, apenas tem o mesmo nome).

o porto global, por ssru

O Centro Histórico do Porto é Património da Humanidade há 18 Anos!

Há muito que aderimos à moda da Globalização e a cidade vive, à semelhança do resto do Mundo globalizado, todos os seus fenómenos tangíveis, como é o caso da “Gentrificação”. No Centro Histórico do Porto deu-se o êxodo progressivo e inexorável dos seus habitantes para paulatinamente darem agora lugar a novos costumes e renovados usuários. Os problemas mais básicos de quem cá fica manter-se-ão.

Hoje acordamos com os nossos vizinhos a partirem para a periferia e constatamos que a cidade se transforma num castelo de “tasquedos” e “hosteles”, tal como nos anos 80 despertamos para o andar de baixo transformado em escritório e nos anos 90 vimos fechar o último cinema num demasiado “shopping”. Os antigos comerciantes são despejados e postos na rua com uma bagatela por indeminização, os prédios degradados são agora como nunca antes, viáveis à reabilitação patrimonial e os novos negócios abrem e fecham à velocidade da luz, porque são descartáveis como todos nós.

o porto do mundo, por ssru

O Centro Histórico do Porto é Património da Humanidade há 18 Anos!

porto-001

o morro da vitória | rui henriques

A cidade do Porto desenvolve-se sobre as colinas que dominam o estuário do rio Douro e forma uma paisagem urbana construída numa história já milenar em que a diversidade da arquitectura civil e religiosa testemunha o percurso de um Centro Histórico que remonta às épocas Romana, Medieval, Renascentista, Barroca e Neoclássica.

Construído sobre terrenos acidentados numa feliz articulação do traçado orgânico de arruamentos e casario com o rio referencial, o Centro Histórico adquire um valor panorâmico singular, reforçado na profusão de monumentos como a Sé Patriarcal, a Igreja de Santa Clara ou o edifício da Bolsa.

Classificado como Património Mundial desde 1996, o Centro Histórico do Porto encerra uma riqueza monumental e paisagística e capta a diversidade de soluções de concepção urbana das cidades da Europa Ocidental e Atlântico-Mediterrâneas da época medieval aos inícios da modernidade. (DGPC)

a bataria da vitória

a bataria da vitória | ssru

Esta é a breve descrição que consta do relatório da comissão que aprovou a inscrição do Centro Histórico do Porto na Lista de Sítios Património da Humanidade da UNESCO. Mas como vocês sabem, este lugar consegue ser muito mais do que isto. Esta é a nossa casa, estas são as nossas ruas e estes são os nossos bairros, este é o nosso porto do mundo.

Pedimos a colaboração de todos aqueles que quisessem enviar-nos o que sentem sobre o CHP, para assinalar a passagem do 18º ano da inclusão deste núcleo histórico no restrito grupo de Bens Comuns do Mundo. O que aqui vem é o reflexo daquilo que também nós sentimos. Um desperdício quase total, um desinteresse generalizado dos portuenses para os valores patrimoniais da sua própria cidade!

I

histéricos assentes no centro histórico, pânico por tudo o que supostamente crie emprego, forçosamente bom se criar emprego, ainda melhor se criar emprego! “bora lá criar emprego?”

II

fachadas ao alto e fé em deus, encham-me aí duas dúzias de quarteirões de betão armado, “olhá jessica fresquiiiiiiiiiiiinha”, é pra hoje, é pra hoje ó freguesa, anda hoje à roda o crime das cardosas

III

a imagem, oh a imagem: tudo pela imagem, nada contra a imagem para a economia deles, mesmo que ainda e sempre mau para a economia destes,

a sopa dos pobres servida na rua claro é um fenómeno do lusco-fusco porque é melhor para a imagem

IV

tragédia da rua das flores, street-artists flores na lapela, reciclagem para função pública, artes decorativas oh yeah, mais vale uma parede bem pintada que um edifício bem reconstruído

V

mui nobre e sempre leal, cidadania e boas famílias, independente dos dependentes, criticar é que era bom,” então e a imagem, filho? “…então e a imagem da cidade? Olha que isso não é bom para a imagem da cidade, temos que dar uma boa imagem da cidade! troika ou turistas começa tudo por tê e vai tudo dar ao mesmo no que à imagem diz respeito

VI

auto – prémios, selfie – galardões e água benta, cada um pega os que quer, cardosas crime com galardão imobiliário, ponto

VII

os rankings e o rancor, país do melhor povo do mundo, cidade do melhor centro histórico, melhor arquitectura, melhores arquitectos, melhor faculdade, melhor emigração forçada, melhor desperdício de recursos, melhor fuga de arquitectos afinal, tão bons que nem aguentámos ser tão bons, melhor desperdício de tempo, melhor desperdício de presente, de futuro, de dinheiro, eu sei lá, é tudo tão bom

VIII

reabilita low-cost filho, reabilita, olha que nem sempre arranjas mão-de-obra de graça, materiais à borla e terreno a custo zero

IX

bicicletas de montra, na montra e às portas da montra das lojas atraem turistas -tipo-gourmet

impossível andar em duas rodas nesta montanha russa que é o porto, diz a vox-populi em cada eleição ,”mas só se não fores turista”, eles conseguem sempre, vá lá saber-se como nós é que não

X

“Touristic buses don´t fit in the narrow streets of the historical center”, objectivo de vida será ter tudo e ao mesmo tempo: barcos cruzeiro, sightseeing buses, os hotéis, o disney colonial park. O jogo do Monopoly a cores e ao vivo! Esperaste tu duas horas pelo 703 da STCP agora vendida a alguém, enquanto passaram 10 sightseeing buses e desesperado entraste num: “era prá areosa fáxabor!” “ excuse-me, but areosa´s not in tha histerical center. Please, mister, must gett off this bus!” E foste para casa a praguejar á moda do porto em cada vírgula.

XI

contas feitas, casa desarrumada, praça da batalha à moda do porto, menos dois cinemas, mais quatro hotéis dá quase conta certa: para já está 4:2, muito hotel para pouca uva

cada quatro hotéis, cada posto de trabalho low cost, contratos para quê? direitos são maus para a economia, e , oh, precisamos tanto de novos-bancos, esquece essa merda.

XII

centro histórico do porto em geral, cidade do porto em particular, sem ponto: reabilitem-no porra! e electrifique-se as escadas da lello, instale-se elevadores na torre dos clérigos.” Então esse nasoni, tão bom arquitecto e não pensa nestas coisas?” do turismo e assim? olhá imagem, pá!

Pedro Figueiredo, arquitecto

rua da fonte taurina | anónimo

Continuamos receptivos aos vossos contributos, esperando contar com os sentimentos (sejam eles quais forem) de todos vocês sobre o CHP, todos nós portanto, mas de uma forma muito simples. Pedimos a todos que enviem uma palavra, frase, poema, discurso (?), fotografia, vídeo, música, desenho, etc., o que acharem bem.

telmo quadros | https://incartoons.wordpress.com/

clérigos | telmo quadros, https://incartoons.wordpress.com/