o resgate urbano, por ssru

A proposta que agora vos colocamos, para além das sábias palavras de Carlos Romão, pretende alcançar a percepção do fim da orfandade dos portuenses em relação à sua cidade. Com a concretização deste projecto de Álvaro Siza, mais do que resgatar a Cividade com a costura urbana deste território fracturado, coloca-se a possibilidade de um autarca poder ficar para a história desta Cidade por um feito tão grandioso, quanto simples e lógico.

Mais do que resgatar o lugar, podemos reivindicar o espírito portuense dando aos seus cidadãos um edifício onde estes se revejam e se projectem, onde aprenderão a conhecer todos os cantos e histórias, a fazer sua a família portuense, a cuidar da arquitectura do Porto através dos séculos, a preservar os restos de eras passadas que nos sedimentam o orgulho no presente.

Com este projecto de Álvaro Siza e do edifício do Museu da Cidade do Porto poderemos um dia voltar a falar de Património, Identidade e Memória.

resgate_01

resgate_02

 Álvaro Siza, Obras e Projectos – Requalificação da Avenida de D. Afonso Henriques – Carlos Romão, 25 de Novembro de 2014.

Foi em 1948 que se procedeu à demolição de uma parte importante do centro histórico do Porto para abrir uma ligação que permitisse a circulação rápida de automóveis entre a Praça de Almeida Garrett e a Ponte Luís I. Desapareceu assim o morro da Cividade e com ele os vestígios medievais do Corpo da Guarda. No seu lugar ficou, até aos nossos dias, um enorme rasgão a separar o casario da Sé das velhas casas que subsistem nas ruas do Loureiro, Chã, Cativo e na de Cimo de Vila, o caminho que conduzia a uma das portas da antiga muralha medieval. Houve dezenas de planos para suturar a ferida aberta mas, por incapacidade da cidade, nenhum foi executado. Neste filme, de 2001, Álvaro Siza Vieira apresenta o seu segundo projecto – o primeiro é de 1968 – para a Avenida de Afonso Henriques. Através dele percebemos melhor a perda patrimonial e a necessidade de recompor a morfologia daquela parte da cidade.

 Ouvimos dizer que não há dinheiro para nada e que tal projecto não só é de difícil realização como dispendioso. Na verdade, ainda nos dias de hoje, se percorrerem as notícias diárias, com ligeireza perceberão que para o vergonhoso eixo Mouzinho/Flores houve oito milhões, para as “renovadas” obras na Foz são mais uns quantos milhões, para a miserável Avenida da Boavista outros quanto terão sido gastos, para a incompreensível marginal até ao Freixo mais uns não sabemos o quê, etc., um interminável desperdício de meios. Não falta onde poupar, como por exemplo, na suposta instalação escultórica no início da Avenida e no “projecto lazer” que pretende “devolver uma praça à cidade” [qual?]. Tudo isto que, de certeza, deve estar a  custar um rico dinheirinho…

resgate_03

resgate_04

resgate_05

Anúncios