a doutrina do medo, por ssru

Através do medo, os políticos conseguem que os povos se sacrifiquem e que paguem uma dívida que foi por eles próprios contraída. Em Portugal, tal como noutros países intervencionados pela troika, fecham-se escolas e hospitais, vendem-se empresas estratégicas, reduzem-se salários e reformas, retrocede-se civilizacionalmente para que os investidores alemães, franceses, ingleses e americanos não sofram com as suas más decisões ao emprestarem dinheiro aos banqueiros e seus amigos políticos corruptos. O dinheiro que sai do corpo dos portugueses vai inteirinho para pagar uma dívida que não foi contraída pelos cidadãos, nem sequer para proveito destes, mas antes para alimentar um sistema político criminoso que os espolia.

O vídeo que se segue sugere desde logo inúmeras questões que nenhum governante teve “testículos” para responder ao premiado jornalista alemão (quem melhor do que um alemão para nos esclarecer estas coisas?!) Harald Schumann, autor desta peça que sugerimos que vejam. Mas a primeira pergunta que gostaríamos de colocar é: “Como é possível que após as maiores manifestações de cidadania que Portugal já assistiu, tudo tivesse ficado na mesma, até o Governo ficou?”

os deficientes cívicos, por ssru

deficientes-01

Ao longo destes artigos temos vindo a falar-vos, por diversas vezes, sobre a necessidade de mudança de comportamentos, dos pequenos gestos que possam gerar uma maior sinergia cívica, que sirvam de modelo para que outros indivíduos (mais distraídos) se sintam impelidos a imitar, promovendo assim um mundo melhor, uma comunidade mais justa e feliz. Há muito que vos falamos da nossa querida 9ª Esquadra da PSP do Porto, o quanto gostamos daquele cantinho, da proximidade que nos transmite segurança, da facilidade em lá chegar, da forma como sempre fomos bem tratados quando preciso, enfim, é a esquadra do nosso bairro e pronto. Já a vimos degradada e suja, com xixi pelos cantos, mal-amanhada na outra esquina de cima, assim-assim na de baixo e agora está mais bonita, finalmente, depois das obras de reparação do pavimento que lhe faz de cobertura e que estancaram as infiltrações que a desfeavam, transformada que está numa esquadra do século XXI. A Esquadra do Infante, o peso que este nome tem!

No entanto, há pelo menos uma década que registamos que o estacionamento das viaturas de serviço é feito de qualquer maneira, ostensivamente sobre as passadeiras ou sobre os passeios. Isto sem que se perceba que estejam em emergência, como por vezes alguns agentes correm a justificar (o injustificável) querendo atenuar o mal causado. E ele é bastante…

No mês de Agosto, por exemplo, verificou-se uma enchente de turistas na cidade, quer estrangeiros ou nacionais e mesmo assim não houve hora do dia – manhã, almoço, tarde ou noite – em que não se registasse em fotografia o que acabamos de afirmar. A nossa inquietude atingiu um ponto tal que estivemos quase a bater à porta do chefe da esquadra (que conhecemos bem) a pedir-lhe que fizesse algo que alterasse a situação. Só este mau aspecto causado perante os nossos visitantes é motivo suficiente para que alguma coisa se mude. Impossível será não acrescentarmos mencionando os nossos concidadãos com mobilidade reduzida ou pormos de parte o facto de estarmos a falar de uma força policial que deveria zelar pelo bem-estar e segurança pública! Mas que raio!

Vivemos na angústia de parecer que este assunto apenas nos aflige a nós os quatro e que, no limite, apenas conseguimos arrancar um gracejo. Exprimimos o queixume aos nossos amigos, tentando juntos encontrar uma solução viável, quando as reacções foram do tipo: “…também o que é que vocês queriam…, que eles se multassem a eles próprios?” Afinal ninguém se interessa. Afinal poderá não existir uma luz ao fundo do túnel.

deficientes-14

Resta-nos apelar ao Senhor Comandante Francisco Bagina, do Comando Metropolitano do Porto (cujo mandato tem sido irrepreensível), para que possa falar com os seus agentes e sensibilizá-los para uma mudança de atitude que não dói nada. Se for necessário que institua uma espécie de multa a favor da comunidade e que crie um curso de formação cívica para melhorar o comportamento dos senhores polícias, que tão gravosamente desrespeitam o cidadão que devem proteger. Mas não um curso como aqueles para onde os tribunais portugueses enviam os senhores condutores embriagados ou demasiado apressados, pois esses são uma desgraça nacional. Uma coisa à séria, que envolva toda a comunidade.

Divididos entre o orgulho nas nossas forças de segurança e a vergonha destas deficiências cívicas, aqui nos prostramos…

deficientes-13

a ruína e o milagre, por ssru

A Ruína e o Milagre são dois apaixonados que se passeiam abraçando as ruas do Centro Histórico do Porto. Apenas o Desastre os separa e impede de se transformarem num exuberante monumento à indigência, formando um triângulo amoroso de difícil compreensão para quem coabita com tão obstinado trio. Falar-vos nestas personagens deste conto de terror, tornou-se um acto banal e, mal comparando, esta é a nossa “Banalização do Mal”.

ruina-001

Contrariando um reputado jornalista que escreve no JN – Daniel Deusdado – o verdadeiro Milagre opera-se quando constatamos que os edifícios do Centro Histórico permanecem em pé, orgulhosos, mesmo depois de tantos maus-tratos pela falta de manutenção, depois de acumularem patologias com as infiltrações que corroem os materiais, depois de inesperados incêndios que lhes destroem a essência e das técnicas de combate ao fogo que lhes lava a alma em rescaldo, depois da razia protectora dos civis que lhes amputa partes despregadas do corpo, deixados à deriva das intempéries e do clima do Norte. Mesmo assim, eles insistem em permanecer de pé, estoicamente. Até ao próximo Desastre.

ruina-002

Se tivermos como certo aquilo que diz o Arq. Rui Loza, “que cada caso é um caso”, este caso que vos queremos apresentar, é exemplar. Trata-se de um edifício de 1680, que está instalado numa parcela alongada com fachadas desniveladas entre a Rua de Belomonte e as Escadas da Vitória (que o circundam), o primeiro do lado par da rua. A tipologia é a comum nas edificações da burguesia comercial portuense, com um primeiro lanço de escadas longitudinal (encostado a uma das paredes de meação para libertar o espaço comercial do piso térreo), que depois se transforma numa escadaria transversal em madeira com 2 lanços paralelos por piso, iluminados superiormente por uma clarabóia (entretanto, substituída por uma trapeira). Os andares superiores tinham uma função habitacional que destacava as cozinhas para o lado Norte das antigas Escadas da Esnoga.

Em tempos teve um restaurante no rés-do-chão que nos fazia sentir em casa de tão acolhedor – a Casa Mariazinha. Numa noite de passagem de ano alguém lhe pegou o fogo, aproveitando a ausência do casal de inquilinos idosos do último andar e que foram à aldeia pelo Natal. Diz-se por aqui que tudo se deveu a uma altercação entre o dono do restaurante e os autóctones vizinhos de um outro tasco, que em resultado da acumulação de graves querelas, assim resolveram em chamas. Só por Milagre não morreu ninguém!

Os sinais estão lá todos, numa acumulação sucessiva de degradação: edifício destelhado e chuva a entrar nas paredes portantes, pelo topo e faces; deformação notória e grave da parede lateral para as escadas, sobretudo ao nível do 1º e 2º andares; vigas de travamento dos pisos e paredes ao relento e a apodrecerem, especialmente nas entregas à parede; parede lateral parcialmente demolida; elementos de fecho como as cornijas com deslocamentos; deslocamentos de padieiras e ombreiras dos vãos; fissuração grave das paredes; destacamentos de revestimentos como os azulejos na fachada principal e o reboco nas restantes. Mais grave é a manutenção desta situação por tempo indeterminado.

Se desde 2003 que a CMP realiza vistorias de salubridade e segurança a este edifício e após arder totalmente na passagem de ano de 2006 para 2007 (ou seja, há quase 7 anos e é provável que dure mais 7 assim), esgotados que estão todos os prazos para a realização de obras impostas pelos diversos organismos oficiais, interrogamo-nos por que razão a Câmara ainda não deu o passo seguinte: tomar posse administrativa do prédio e realizar as obras necessárias à sua salubridade e segurança de pessoas e bens, impondo ao proprietário todos os custos obtidos, acrescidos de multa pela sua inoperância, agravando-lhe ainda o IMI.

milagre-013

E vocês respondem “ah, e tal, é porque a proprietária é a D. Aida Nunes, uma querida e a mais longínqua farmacêutica do burgo e que o seu filho único, o António Abel, foi o assessor de Rui Rio para a mobilidade e está na Porto Lazer a tomar conta do Circuito da Boavista”. ERRADO!

Até pode haver algum favorecimento no alargar dos prazos ou isso… mas, na verdade a CMP e a Porto Vivo não sabem bem o que fazer e vão tomando decisões avulsas que em nada contribuem para o estancar do problema. Isto para não falar também na passiva DRCN, que tem a sua quota-parte de responsabilidade na preservação do bem classificado como Monumento Nacional.

Mas imaginem que o problema se resolve integrando os esforços dos diversos departamentos e serviços camarários, mais os da Porto Vivo (que agora gere esta zona)! Seria lógico que houvesse comunicação entre todos eles, que partilhassem informação, os modos de executar os procedimentos, a economia dos meios ao dispor, para não se registarem nem excessos nem falhas nas respostas a dar aos problemas. Agora, imaginem um bando de elefantes trombudos que arrastam as largas patas de um lado para o outro, deixando cair a melhor faiança que existe nesta loja de louças que é o Centro Histórico do Porto. Verão que é isso que tem estado a acontecer, inexoravelmente.

milagre-016

O que o Daniel Deusdado não sabe, ou sequer se importou saber (em vez do sound-bite), é que com 20 milhões (nunca são só 20) é possível reabilitar 100 edifícios como este, ou seja, 100 espaços comerciais no rés-do-chão (melhorando o aspecto ao nível da rua) e 500 habitações para 500 famílias, alojando um total de 2000 pessoas, todas elas a mudar de vida e a contribuir de forma decisiva para a reabitação do centro da cidade e, isso sim, contribuindo para o seu desenvolvimento sustentável. O grande MILAGRE é o prédio ainda não ter caído em cima de ninguém e a escultórica RUÍNA se manter ali de pé para turista ver.

a arquitectura milagreira, por ssru

Outubro corria calmo. O mês da arquitectura festeja-se com umas festas e umas exposições e um concurso de ideias e mais uma iniciativa anual da Ordem dos Arquitectos a lembrar que não se esqueceu da sua função de dignificar a arquitectura e as condições de trabalho dos arquitectos, com uma campanha muito pertinente – “Olhe à sua volta – ainda acha que não precisa de um arquitecto”. A campanha tem piada pois apela ao sentido de avaliação e do bom gosto dos portugueses que, ao lerem o cartaz e ao olharem em volta constatarão que afinal estes 40 anos que passam desde o decreto-lei 73/73 deixaram-nos a todos muito mais pobres.

milagre-01

E a pacatez acaba quando, ainda antes de percebermos quem tinha ganho o Concurso de Ideias do Quarteirão da Companhia Aurifícia, em grande estrondo circula pela comunicação social uma proposta estapafúrdia, penúltima classificada em 12.º lugar, de relocalização da Ponte Maria Pia, no interior, no centro geográfico do terreno em estudo. Perguntamos ao Bandeira, “então pá, o que é isso?! Ah, não ligues, é gozo …foi só uma brincadeira!”. Espera lá…!

Mas ó Bandeira, até as brincadeiras têm um preço! Uma coisa é “a gente espirrarmos” uma parede na Rua da Sofia (que fica lá quase na mouraria) e pormos todos aos pinotes a bater palmas e o gabinete a fazer horas extras. Outra coisa é vires pr’aqui gozar com o nosso património, que já é tão difícil de manter intacto e com a nossa cara, que por acaso não tem rosto. Ou melhor dito por um grande arquitecto, de nome José Gigante (o nosso Gigas): “com todo o respeito pelos meus dois colegas arquitectos, acho a ideia disparatada, própria de quem teima em dissociar a obra de arte do contexto onde se fundamenta a sua forma. Mais uma vez é a exploração de um filão para deliciar “basbaques”…e admiradores da “esperteza saloia”. E aproveito para citar os Jáfumega: ‘A ponte é uma passagem p’rá outra margem…’”

milagre-02

Pois é, a nossa querida comunicação social ávida de basbaquices para fazer páginas de notícias, encontra na vossa proposta um manancial de reality-show e vocês começam a dar as entrevistas e a cair na esparrela e a quantificar a solução e a tornar a coisa fazível como se o que ali está, fosse um objecto inútil como diz a jornalista na peça. Morreu. Kaput. Foi a indigência que a tornou inactiva. E o nosso silêncio…

E depois um gaijo que a gente até curte ler de vez em quando, diz: “10 milhões para se adquirir o terreno da Companhia Aurifícia e 10 milhões para desmontar a ponte e reconstruí-la, ali, magnífica e bela, no meio da minha cidade. Diria, de olhos fechados, que o investimento se pagaria rapidamente com o turismo. Que este projeto reforçaria um tema da campanha eleitoral – a do Porto como grande cidade da arquitetura. E que, tendo nós Eiffel – entre Nasoni, Siza Vieira, Souto de Moura, Rem Koolhaas (e muitos outros) – não devíamos deixar escapar entre os dedos do convencional um milagre da imaginação. Esta ideia é um milagre de uma nova geração. Irreal tolice populista!

milagre-03

Uma má proposta é sempre MÁ, qualquer que seja a conjuntura económica, mas esta é tão só criminosa e irresponsável. É que, ainda por cima, tu és professor na UM e o Ramalho é parente de grandes arquitectos como o Pedro, que foi professor na escola e o Luis, que é um génio e um espectáculo de pessoa. Já viste a bandeira que estás a dar aos teus alunos, dizendo-lhes que podem c_g_r, assim como tu, no valor patrimonial das coisas. Fazias um milagre se agregasses ali todo o pessoal que se quisesse atirar da ponte abaixo e sem eles saberem colocavas uns ‘airbags’ no fundo, que ao menos já evitavas a mortandade que se passa em baixo no rio e que ninguém quer falar.

milagre-04

Na nossa gíria técnica equipamentos como esta ponte, viadutos e afins, costumamos chamar de “obras de arte”. Mas se querias plantar ali uma obra de arte escultórica porque não pegaste numa coisa como a do Cutileiro e colocavas ali, com o esplendor do colorido a ouro (aurifícia) e com uns 100 metros de altura. Era só “charters” de turistas a aterrar no aeroporto… Chega a ser doloroso, imaginar que foi aqui nesta encosta sobre a Ponte Maria Pia, que tu começaste a dar os primeiros passos na aprendizagem da arte da arquitectura. Para nada, ou para isto!

o “primus inter pares”, por ssru

Quem assistiu às suas aulas, recorda com saudade o colossal génio de um homem carinhoso. A nossa última aula permanece ainda gravada na memória colectiva, sobretudo aquela ovação final da sala em pé, que estremeceu todos os corpos vivos. Ter tido o privilégio de entrar em sua casa foi quase deambular num santuário onde se respirava a verdade do Universo. O Mestre Fernando Távora era tudo isto e muito mais!

O mês de Outubro é o tempo de celebrar a arquitectura e relembrar Távora. Os Arquitectos Portugueses reconhecem a sua genialidade, a Universidade do Porto considera-o uma Figura Eminente, mas o Porto ainda lhe deve o tributo merecido. Como ele escreveu: “Deixar morrer a cidade portuguesa, como vem acontecendo no nosso quotidiano, é um acto de suicídio colectivo”.

primus-01

“Fernando Távora Homenageado como Figura Eminente 2013”, in UPORTO Alumni 18

Anualmente, a U.Porto celebra um dos seus primus inter pares. Alguém que pelas suas excecionais qualidades humanas, pedagógicas e científicas se distinguiu na história da Universidade e contribuiu de forma indelével para o seu engrandecimento. A homenagem pressupõe a atribuição do título de Figura Eminente à personalidade escolhida, bem como a organização de um ciclo de iniciativas lembrando a sua vida e obra.

O arquiteto Fernando Távora é a Figura Eminente da U.Porto 2013, pelo que, até ao final do ano, o seu legado pessoal, académico e profissional inspirará encontros científicos, instalações expositivas, edições de livros, entre outras iniciativas. “Desta forma estaremos, seguramente, a promover a valorização histórica do homenageado e a transmitir o seu exemplo às novas gerações”, diz o reitor da Ll.Porto, Marques dos Santos, para quem Fernando Távora é uma “referência maior, não apenas da arquitetura nacional, mas também da cultura portuguesa e da sua capacidade de se projetar no mundo”.

A celebração da Figura Eminente 2013 teve início a 23 de maio último, no Salão Nobre da Reitoria, com uma sessão que incluiu a leitura de textos do arquiteto pelo encenador Jorge Silva Melo, a projeção de um filme sobre o homenageado e a-apresentação da publicação “Fernando Távora – ‘Minha casa’, Fasciculo 1, Prólogo”. No dia seguinte, a figura, o pensamento e a ação de Fernando Távora serviram de mote a um encontro de investigadores, que reuniu, também na Reitoria, vários especialistas em arquitetura e urbanismo.

O programa da Figura Eminente 2013 prosseguiu, a 4 de junho, com a inauguração, na Fundação Instituto Arquiteto José Marques da Silva (instituída pela Universidade em 2008 e sita na Praça do Marquês de Pombal, nº 30), da exposição “Fernando Távora: uma porta pode ser um romance”. De resto, o conjunto de iniciativas desta homenagem está muito centrado no arquivo documental que a família do arquiteto cedeu à Fundação em 2011, sob regime de comodato.

A homenagem deverá conhecer novo momento alto com a abertura da programada instalação-exposição sobre a obra de Fernando Távora, que estará patente, de novembro a dezembro, no Museu Nacional Soares dos Reis (MNSR). Até ao final do ano, vão ter ainda lugar dois ciclos de conferências em que se cruzarão as histórias de vida e os livros que inspiraram Távora.

Fernando Távora (Porto, 1923 – Matosinhos, 2005) é considerado o “pai da escola do Porto”, na medida em que formou e influenciou fortemente muitos dos grandes arquitetos que integram o movimento pedagógico, cultural, artístico e arquitetónico que nasceu na Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) e prosseguiu na FAUP e na FBAUP. Diplomado justamente pela ESBAP, em 1952, Távora dividiu a sua carreira entre a arquitetura e a docência, em particular na FAUP – instituição de que foi presidente da Comissão Instaladora, professor catedrático e figura tutelar.

Entre as principais obras de Távora, destacam-se o Mercado Municipal de Santa Maria da Feira, a Casa de Férias no Pinhal de Ofir (Fão), a reabilitação do Centro Histórico de Guimarães, a ampliação das instalações da Assembleia da República, o restauro do Palácio do Freixo (Porto), a expansão do MNSR e a remodelação do Círculo Universitário do Porto.

primus-02

“Esquissos de Viagem”, Álvaro Siza – Porto 1988

os maus hábitos, por ssru

Ainda esta semana fez notícia (pequenina) na comunicação social a entrega de dez requerimentos por parte do Partido Comunista, questionando o Governo sobre as condições em que várias esquadras se encontram. Também os deputados do PSD/Porto já tinham questionado em tempos, o ministro do Tempo do outro Senhor, enviando um documento onde perguntavam “quais as medidas que “o Governo pretende tomar no que concerne à melhoria das infra-estruturas das Esquadras da PSP da AMP [Área Metropolitana do Porto] e, em particular, da 9ª esquadra do Infante”. O tema da falta de condições das esquadras da PSP do Porto tem vindo a ser debatido ao longo dos anos e parece não ter fim.

habitos 01-Fevereiro2013

Para além dos cuidados de saúde e da educação, todos concordam que a segurança pública é um serviço fundamental que os cidadãos entregam ao Estado para que este, através dos impostos cobrados, possa gerir da melhor forma. Instalações em más condições, viaturas avariadas, equipamento em falta ou obsoleto, abonos e serviços médicos dos profissionais, subsídios de risco etc., fazem as páginas dos jornais e das televisões, num vai-vem ininterrupto.

habitos 02-Fevereiro2013

Como podem perceber a nossa esquadra favorita é a 9ª, que fica ali em frente ao Jardim do Infante D. Henrique, bem no coração do Centro Histórico. Convenhamos que não é lá uma grande esquadra, pois não passa de uns fundos de cave, umas catacumbas do Mercado Ferreira Borges, onde sempre choveu lá dentro, os tectos a caírem, as mobílias velhas e as paredes sempre húmidas e cheias de fungos. Mas que diabo, é a nossa esquadra e lá sempre fomos bem atendidos, embora nem sempre com sucesso.

O mesmo terá pensado o ‘chef’ Rui Paula quando um gangue de 20 gunas lhe invadiu o restaurante DOP, situado no mesmo quarteirão de Ferreira Borges a 40 metros de distância da 9ª Esquadra, assustando os clientes e agredindo os funcionários. A PSP foi chamada ao local mas quando os agentes lá chegaram, passados 40 minutos, já os meliantes estavam deitados na caminha, pois passava da meia-noite. Mas não admira que cada metro tenha demorado um minuto a percorrer. É que da esquadra ao Largo de S. Domingos é sempre a subir e como as viaturas estão todas avariadas tiveram que ser empurradas até lá.

Mas as coisas mudaram. Mudam sempre…

habitos 03-Fevereiro2013

A 9ª foi transformada em “Esquadra do Século XXI” – o que quer que isto signifique! – por uma empreitada de obras públicas de remodelação e adaptação, no valor de 70 mil euros. Com paredes de granito à vista, vidros foscos e aços inox, alta tecnologia ali a bombar informação e mesmo assim achamos que podia ter ficado melhor do que está. Os problemas do equipamento têm tendência a resolverem-se. A juntar a este festim, o Comando veio garantir que o problema da falta de viatura para patrulhar o Centro Histórico já está resolvido e que a segurança da população nunca esteve em causa.

habitos 04-Dezembro2012

Recapitulando: temos uma esquadra nova, equipamento novo, carro novo, até temos umas ruas novas. Apenas continuamos é com os mesmos “maus hábitos” de estacionar na passadeira,  ou melhor agora, no novo passeio que ficou maior e mais acessível. Está na hora do Senhor Comandante da PSP-Porto (que até tem um sobrenome bem portuense) começar a implementar umas aulas de formação cívica para alguns dos seus soldados, que ainda não perceberam que já não há tolerância para este tipo de faltas de respeito e desprezo pelos cidadãos.

habitos 05-Dezembro2012

Já agora se alguém souber que nos informe porque razão um dos responsável da empresa que efectua as obras do eixo Mouzinho/Flores, estaciona diariamente uma carrinha em cima do passeio que ele próprio ajuda a construir (que deveria estimar, orgulhoso) e que ainda não entregou ao dono de obra. Se não for muita maçada, gostaríamos também de saber, porque é que ao fazê-lo em frente à 9ª Esquadra, ele goza da maior benevolência e da melhor protecção policial como ninguém, levantando as piores suspeitas sobre este tipo de atitudes promiscuas entre a PSP e o empreiteiro.